Da ideia para o mercado: A Cristina e o “Projeto Mya”

Há um provérbio chinês que diz que não há que ser forte, há que ser flexível. Assim foi e continua a ser a Cristina, fundadora do Projeto Mya.

Tudo começou em 2015, formada em psicopedagogia e apesar de realizar alguns trabalhos na área, Cristina desde cedo sentiu dificuldade em entrar no mercado de trabalho, o que a levou a realizar ofícios totalmente distintos da sua área de formação. A sua grande paixão sempre foi trabalhar com crianças, onde realizou alguns trabalhos de animação e mais tarde lecionou aulas de Inglês. Não estava nos seus planos, mas a nacionalidade canadiana estava a dar-lhe uma oportunidade de trabalhar na sua paixão. 

Durante algum tempo adorava o que fazia. Mas ano após ano, o sistema educativo tornou-se cansativo para a fundadora, pois não respeitava os timings de aprendizagem de cada um. Tudo mudou quando conheceu o Frederico da Terra dos Sonhos, ele fez-lhe uma questão que a abalou “Estás satisfeita a nível profissional?”. De facto, estava a trabalhar com crianças, mas o que fazia com elas não já não a preenchia. Então ele questionou qual era o sonho dela, e aí ela não teve dúvidas, queria muito ter um projeto dela e trabalhar com crianças. O Frederico propôs que ela conhecesse a Sapana, onde voltou a ser questionada se era mesmo aquilo que era queria. Ela sabia que sim, mas não sabia como. Na Sapana surgiu a oportunidade de fazer um programa de desenvolvimento pessoal onde teve ainda mais certeza do que queria fazer. E foi aí que surgiu o Menos.

Com a ajuda do Menos Cristina criou o Projeto Mya, onde ligava as suas três grandes paixões Meditação, Yoga e Arte. “Eu posso agradecer ao menos a minha realização profissional, sinto-me mesmo realizada. Eu sabia o que queria, mas não sabia como lá chegar”. Enquanto realizava trabalhos de expressão plástica, tinha um parceiro que era professor de meditação e tinha alguns professores para dar as aulas de yoga, o que se verificou um grande desafio, pois nem sempre era fácil reunir em equipa. Foi então que Cristina até à altura apenas praticante de yoga, decidiu investir mais a fundo na sua formação e fez uma formação de yoga para crianças e depois para bebés. Para poder dar aulas às mães, depois dos cursos para crianças e bebés, fez também formação de yoga para adultos.

No entanto, os desafios do projeto surgiram logo no início, quando Cristina se mudou de Lisboa para Santarém. O projeto era muito recente e a fundadora ainda não conhecia ninguém. Começou por apresentá-lo nas escolas e ATL’s.

Apesar das dificuldades iniciais, tudo mudou e as vantagens do projeto estão bem visíveis. São cada vez mais as crianças que de ano para ano continuam no projeto e vão trazendo a família. Muitas vezes as aulas são dadas às crianças e depois às mães que também têm o seu próprio grupo de yoga e partilha. “O facto de o projeto ter um impacto positivo nas pessoas e nas suas vidas e a criação de grupos de partilha onde é permitido partilhar todo o tipo de experiência é muito gratificante para mim”.

Mas criatividade não falta à mentora do Projeto Mya, que foi gerando iniciativas inovadoras, com foi o caso do Atelier Mya (atividades de verão). Onde as crianças podiam praticar meditação, yoga, artes plásticas e eram convidados vários artistas, desde músicos, pintores, a contadores de histórias. O sucesso do atelier foi tão grande que no ano seguinte, o número de inscritos aumentou significativamente. Entretanto o número de pedidos de aulas de yoga cresceu exponencialmente, de forma que não foi possível continuar com o atelier. 

Contudo, Cristina tem ainda várias ideias a explorar e que quer realizar num futuro próximo, entre elas, criar a Associação Mya, abrir um espaço de terapias holísticas, continuar a dar aulas a crianças, adultos e idosos. Ideias muito ambiciosas para apenas uma pessoa, por isso, um dos objetivos é fazer crescer a equipa de forma sustentada, unindo pessoas apaixonadas pelo projeto e pela sua visão. E claro, levar o projeto além Santarém. 

Para seguir com o projeto de abertura do espaço holístico, a fundadora quer voltar a ter formação com o menos e levar as suas parceiras consigo. “O menos está no meu coração, reconheço a importância que teve no desenvolvimento do meu projeto e na confiança que me deram para avançar.” Quer também dar ao projeto uma vertente mais digital de forma a chegar a mais pessoas, tais como, pessoas doentes que têm de ficar em isolamento, que muitas vezes devido à doença não se podem deslocar, nem sair de casa.

Nos dias que correm o Projeto Mya, juntamente com as atividades lúdicas expressivas são o sustento de Cristina. Com o apoio do Menos o projeto “vingou” fora da capital e está a espalhar magia dos 0 aos 120 anos, mostrando que não há idade para praticar yoga.  Cristina continua a plantar sementes no coração de quem têm o privilégio de privar com ela, esperando fazê-las crescer, dia após dia. Ensinado a não julgar, não comparar, não querer ser melhor que o outro, mas sim a tornar-se, melhor para os outros. Com calma, flexibilidade e arte as crianças vão se expressando, descobrindo-se e abrindo-se para um mundo melhor, onde não existe impossíveis, pois impossível “significa” possível no interior. 

Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Junta-te à nossa newsletter

Junta-te à nossa newsletter

Scroll to Top